Notícias

25/12/2018 - Noticias
Primeira mensagem interestelar para os alienígenas faz 44 anos – será que foi respondida?
por ovnihoje / Adaptação de PY4SM - Marcus

 

 

 

 

 

Primeira mensagem interestelar para os alienígenas faz 44 anos

Em 16 de novembro de 1974, o Observatório de Arecibo enviou uma mensagem de saudação ao aglomerado estelar globular M13. Montada por um grupo de cientistas, inclusive o Dr. Frank Drake e o astrônomo Carl Sagan, a mensagem continha informações sobre a Terra, o sistema solar e a raça humana.

Divididos em sete seções, os dados incluíam os números de um a dez, os números atômicos de vários elementos comuns, o número de nucleotídeos no DNA, um diagrama do sistema solar e uma representação gráfica de um humano, entre outras coisas.

A mensagem foi transmitida via ondas moduladas em frequência de rádio para o M13 – um aglomerado estelar globular situado a 25.000 anos-luz de distância – para marcar a remodelação do radiotelescópio de Arecibo.

Devido às distâncias extremas envolvidas e à enorme quantidade de tempo que levaria para chegar lá, a mensagem pretendia ser mais uma demonstração técnica do que uma tentativa séria de contatar extraterrestres.

Em 1974, um grupo de cientistas enviou um sinal ao espaço contendo a localização da Terra no sistema solar, nossa estrutura de DNA e outros detalhes relevantes. Bem, em 2001, recebemos uma resposta enigmática que passou despercebida pelo público em geral.

um sinal foi enviado ao espaço e a resposta foi recebida e silenciada em 2001

Em um esforço para descobrir a vida extraterrestre inteligente, Carl Sagan enviou um sinal ao espaço, uma transmissão conhecida como a mensagem ‘Arecibo’ via ondas de rádio. A mensagem dirigida aos seres inteligentes extraterrestres foi a transmissão de rádio mais poderosa já transmitida ao espaço pela humanidade. Em comparação, o sinal para o espaço era um milhão de vezes mais forte que uma transmissão televisiva típica. Destinada a um grupo de estrelas localizadas a mais de 25.000 anos-luz de distância, a mensagem pictórica foi enviada com a esperança de que um dia receberíamos uma resposta similar de outra civilização.

O sinal de rádio incluiu a localização do nosso planeta Terra dentro do nosso sistema estelar, os princípios básicos da matemática e da ciência, e o tipo de antena que foi usado para transmitir o sinal ao espaço, todas as características que uma civilização alienígena inteligente deve entender. A mensagem preparada por Carl Sagan e seus colegas também incluiu informações sobre nossa espécie, nossa música, e até mesmo nossa aparência física foi incluída na mensagem de rádio, bem como em nossos códigos de DNA.

Alguns anos após o envio do sinal, as pessoas se esqueceram disso. Então, 27 anos mais tarde, em 2001, um “agroglifo, ou seja, um desenho em uma plantação apareceu agitando a comunidade científica. Um padrão apareceu em um campo, bem ao lado do maior telescópio e observatório do Reino Unido, Chilbolton, onde está localizado o maior radar meteorológico do mundo, e a surpresa foi que parecia uma resposta à transmissão enviada em 1974.

Foi considerado por muitos como um dos mais impressionantes e importantes agroglifos que surgiram em nosso planeta, uma vez que este, ao contrário de outros, transmitiu uma mensagem direta do espaço. Enquanto muitos rejeitaram o agroglifo perto de Chilbolton como mais uma farsa, a análise mostrou que ele carregava uma mensagem, ou melhor, uma resposta de outra civilização. Ao descrever um sistema solar diferente no universo, a imagem do emissor, o DNA não humano e alguma antena de microondas, o Agroglifo de Chilbolton foi a resposta final que sempre esperávamos.

Incrivelmente, apenas um ano antes da descoberta da mensagem extraterrestre, em 2000, um agroglifo apareceu de uma maneira desconhecida ao lado de Chilbolton. Um ano depois, o quebra-cabeça foi montado, e pudemos ver que o agroglifo que surgiu em 2000 era, na verdade, uma representação do telescópio de microondas usado para transmitir o sinal para nós. Em 2001, três dias após a misteriosa resposta aparecer ao lado de Chilbolton; outro agroglifo foi encontrado, representando o que parecia ser um rosto alienígena.

De acordo com o portal bibliotecapleyades.net, os equivalentes decimais do código binário não foram modificados em relação ao original de ‘Arecibo’. Mas os números atômicos dos elementos que formam a base da vida foram alterados: o silício, um elemento com número atômico de 14, foi adicionado precisamente na sequência correta: entre oxigênio (número atômico 8) e fósforo (número atômico 15 ). Em 1969, o falecido Ben Volcani, renomado microbiologista do Scripps Institution of Oceanography, descobriu o papel crucial do silício na vida baseada no carbono. Seu trabalho e o de seus colegas (como Charles Mehard, também da Scripps, e Edith Carlisle, na década de 1970, na UCLA) demonstraram que a presença de silício é fundamental em uma variedade de formas de vida terrestre, assim como na estrutura das células humanas: exemplo, na junção de cartilagem e aspectos minerais dos ossos.

Ainda falta debater se o agroglifo que surgiu ao lado de Chilbolton era, de fato, uma resposta extraterrestre. No entanto, muitas pessoas estão firmemente convencidas de que não apenas Chilbolton 2001 seja uma mensagem real de outra civilização alienígena inteligente no universo, mas recebemos mensagens semelhantes quase todos os dias.

  • (31) 3309-1721
© 2016 LABRE-MG - Todos os direitos reservados