Notícias

08/04/2019 - Noticias
NASA detecta tremores na superfície de Marte...
por HojeOVNIH / Adaptação : PY4SM - Marcus

 

 


Após meses de manobras delicadas, o módulo InSight da NASA acaba de colocar seu sismógrafo hipersensível na superfície de Marte.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas.  

NASA detecta tremores na superfície de Marte

O instrumento é projetado para resolver mistérios sobre o interior do planeta, detectando o tremores dos ‘martemotos’. Mas apenas algumas semanas depois, a sonda do tamanho de um automóvel já ouviu outra coisa: o tremor causado pela atmosfera que continuamente agita nosso vermelho vizinho.

O sinal apareceu pela primeira vez no início de fevereiro, assim que a sonda colocou um escudo protetor sobre o sismógrafo, disse Philippe Lognonné, um sismólogo planetário da Universidade Paris Diderot, que dirige a equipe que comanda o instrumento, em uma palestra, na Conferência de Ciência Lunar e Planetária. “Acreditamos que esses sinais são ondas vindas de Marte.” Esta é a primeira vez, disse ele, que tais microsismos foram detectados em outro planeta.

Na Terra, os microsísmos são onipresentes, causados ​​em grande parte pela inundação do oceano por tempestades e marés. Marte, apesar dos sonhos dos escritores de ficção científica, não tem oceanos atuais. Em vez disso, este ruído recém-descoberto é provavelmente causado por ondas de pressão de baixa frequência de ventos atmosféricos que sacodem a superfície, induzindo ondas rasas de longo período na superfície, chamadas ondas Rayleigh, disse Lognonné.

Embora a sonda InSight ainda não tenha detectado um martemoto, os microsísmos são um indicador importante de que o sismômetro da sonda está funcionando como esperado. Nas últimas décadas, os sismólogos começaram a ver microsísmos na Terra não apenas como um incômodo, mas como uma ferramenta valiosa para entender as características do subsolo. Esse ruído será similarmente valioso em Marte, disse Lognonné, permitindo que os sismólogos da equipe sondem a crosta de superfície rígida nas imediações ao redor da sonda.

Mas o sismógrafo teve pouco tempo para ouvir até agora. Embora a cratera cheia de areia onde a InSight pousou, apelidada de “Homestead Hollow”, tivesse poucas pedras grandes para complicar sua colocação, a implantação ainda demorou um mês a mais do que o planejado, graças a duas tarefas delicadas. Em primeiro lugar, os cientistas tiveram que ajustar cuidadosamente a ligação elétrica que conecta o sismômetro ao módulo de aterrissagem, a fim de reduzir o ruído proveniente do módulo. Então, eles tiveram que colocar um escudo de vento e calor sobre o instrumento.

Desde então, a InSight passou a maior parte do tempo solucionando o problema do segundo seu instrumento, uma sonda de calor projetada para escavar até 5 metros abaixo da superfície. O braço robótico colocou esse instrumento em meados de fevereiro. Mas logo depois que a sonda começou a se martelar na superfície, sua ‘broca’ de 40 centímetros de comprimento ficou presa em uma rocha ou em algum outro bloqueio a apenas 30 centímetros de distância. Agora, os cientistas da missão colocaram o martelo em espera enquanto esperam que os engenheiros das agências avaliem suas opções. Isso continuará por várias semanas, disse Bruce Banerdt, principal investigador da InSight e geofísico no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia.

Embora os microsísmos sejam emocionantes de ouvir, todos que trabalham na InSight aguardam o evento principal: seu primeiro martemoto. Não há necessidade de entrar em pânico por ainda não ter visto um, disse Banerdt. “Antes de ficarmos nervosos … [a missão está] exatamente onde esperávamos estar.” A equipe espera detectar cerca de um martemoto por mês, mas provavelmente eles virão em grupos, não perfeitamente espaçados. Banerdt, que vinha preparando essa missão há décadas, é paciente.

  • (31) 3309-1721
© 2016 LABRE-MG - Todos os direitos reservados