Notícias

30/07/2019 - Noticias
Alienígenas podem estar enviando ondas gravitacionais contendo mensagens
por Tradução / adaptação de PY4SM - Marcus

 

 

Ondas gravitacionais contendo mensagens alienígenas podem estar sendo enviadas a partir do centro da galáxia. E se esse for o caso, cientistas logo poderão detectá-las.

Alienígenas podem estar enviando ondas gravitacionais contendo mensagens

É concebível que uma civilização avançada o suficiente, para se ver em um contexto cosmológico, pensasse em uma maneira de se dar a conhecer ao Universo. 

Na pré-impressão em Arxix de “The Messenger: A Galactic Center Gravitational-Wave Beacon” (O Mensageiro: Um Farol de Onda Gravitacional do Centro da Galáxia), uma equipe internacional de pesquisadores propôs uma nave alienígena hipotética, um farol no Centro Galáctico da Via Láctea, ‘O Mensageiro’, que emite ondas gravitacionais que são “inequivocamente artificiais”.

Eles escrevem:

Para ser reconhecido como tal, um farol do Mensageiro gravitacional deve emitir um sinal claramente não natural, tal como uma emissão persistente de ondas gravitacionais a uma frequência constante.

A espécie humana em 1977, com as sondas Voyager 1 e 2, enviaram dois postais da Terra para a Galáxia. Destino: “destinatário desconhecido”. As Voyagers carregam não apenas instrumentos projetados para estudar os planetas no sistema solar externo, mas também dois registros de ouro com mensagens destinadas às formas de vida extraterrestres ou futuros seres humanos. Aquilo foi um tiro aleatório nas vastas profundezas do espaço exterior.

Um farol eletromagnético emitindo em comprimentos de onda de rádio ou infravermelho (a fim de penetrar no pó dos braços espirais) não é a melhor maneira de chamar a atenção, já que esses feixes são fortemente direcionais. Os mesmos argumentos valem para receber sinais alienígenas na Terra. A busca por inteligência extraterrestre (SETI) é um programa em que, desde os anos 1980, são pesquisados ​​padrões na emissão de rádio eletromagnético de banda estreita. Esta é uma agulha na busca do palheiro.

No entanto, um observatório de ondas gravitacionais, graças às suas características de antena quase omnidirecionais, não se limita a procurar uma área específica do céu, uma vez que praticamente recebe todos os sinais dentro de sua faixa de sensibilidade. Portanto, é razoável supor que uma civilização avançada possa usar o canal de ondas gravitacionais para mensagens.

Nossa existência no universo resultou de uma rara combinação de circunstâncias. O mesmo deve ser verdade para qualquer civilização extraterrestre avançada. Se existe seres extraterrestres na Via Láctea, eles provavelmente estão espalhados por grandes distâncias no espaço e no tempo, no entanto, eles devem estar cientes da propriedade única do centro galáctico: ele abriga o buraco negro maciço mais próximo para qualquer um na galáxia, o SGR A*.

Uma civilização suficientemente avançada pode ter colocado material em órbita deste buraco negro para estudá-lo, extrair energia dele e para propósitos de comunicação. Em ambos os casos, seu movimento orbital será necessariamente uma fonte de ondas gravitacionais. Um “Mensageiro” com a massa de Júpiter na órbita circular mais estável ao redor do buraco negro pode ser sustentado por alguns bilhões de anos pela saída de energia de uma única estrela e emitir um sinal de onda gravitacional inequivocamente artificial (contínuo), o qual que será observável com detectores de tipo LISA – a planejada Antena Espacial de Interferômetro a Laser da Agência Espacial Européia (de sigla em inglês LISA), com previsão de lançamento em 2034.

Antena Espacial de Interferômetro a Laser (LISA)

A melhor maneira de garantir que o sinal possa ser detectado em toda a galáxia é com um farol de ondas gravitacionais. Ao contrário das ondas eletromagnéticas, as ondas gravitacionais são produzidas pelo movimento acelerado das cargas macroscópicas (massas) e, uma vez emitidas, viajam pelo espaço praticamente imperturbáveis. Fenômenos de ondas gravitacionais são onipresentes no Universo e com proezas tecnológicas relativamente simples de serem detectadas.

Antena Espacial de Interferômetro a Laser (LISA)Antena Espacial de Interferômetro a Laser (LISA)

No caso dos detectores de sinais Advanced LIGO e Advanced Virgo, os sinais emitidos durante os últimos estágios da inspiração e fusão de sistemas binários de objetos compactos – buracos negros de massa estelar e estrelas de nêutrons – são detectáveis ​​a partir de distâncias de 1 Gpc e 100 Mpc.

Com apenas um pequeno ajuste tecnológico, LISA também poderia funcionar como um detector de sinais transmitidos por civilizações extraterrestres avançadas existentes em algum lugar na Via Láctea, de acordo com Marek Abramowicz, da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

A LISA será composta por três espaçonaves, organizadas em uma formação triangular, a 2,5 milhões de quilômetros de distância, projetadas para funcionar como um enorme detector de ondas gravitacionais em órbita.

Embora reconhecendo que a vida na Terra surgiu de ‘uma rara combinação de circunstâncias’, Abramowicz e seus colegas admitem que restrições semelhantes limitam as chances de surgimento de outras civilizações tecnologicamente mais experientes.

Para nós humanos, escreve a equipe, a Via Láctea é naturalmente uma localização única no Universo. Nosso surgimento é o resultado de muitas circunstâncias e condições raras de probabilidade extremamente baixa. No entanto, aqui estamos nós, uma civilização (moderadamente) inteligente em um planeta pequeno e rochoso que é rico em silicatos, oxigênio e água e tem uma atmosfera protetora e campo magnético. Estamos orbitando juntos com uma lua relativamente grande bem dentro da zona habitável ao redor de uma estrela amarela bastante comum, em uma região habitável a cerca de dois terços do centro de uma galáxia espiral.

Há uma boa chance, eles sugerem, que a Via Láctea também seja o lar de outros povos. O poder preditivo da equação de Drake, que estima o número de civilizações extraterrestres por um punhado de parâmetros, é indiscutivelmente não muito grande; suas estimativas variam de zero a dezenas de milhares. Os pesquisadores decidiram ser levemente otimistas e supor que existe ou existiu pelo menos uma civilização tecnologicamente altamente desenvolvida por aí.

Eles argumentam que se uma civilização extraterrestre sofisticada decidir construir um dispositivo para estudar o enorme buraco negro no centro Galáctico, ou extrair energia dele, ou mesmo para intenções insondáveis ​​à mente humana, este dispositivo pode, como as Voyager 1 e 2, também servir como um mensageiro.

Qualquer mensageiro de onda gravitacional intencional deve ter longevidade e ter uma massa e densidade apropriadas para produzir um sinal mensurável nas partes menos inóspitas da Galáxia, a cerca de 6-10 kpc do centro, o que significa que não pode ser um objeto arbitrário com uma órbita “natural” em torno de um buraco negro, pois a órbita decairia devido à emissão de ondas gravitacionais.

As especificações do Mensageiro

Em vez disso, um aparato capaz de espalhar uma informação através da Galáxia deveria necessariamente ter algumas características únicas e determinadas com precisão:

  1. O sinal deve ser de longa duração, periódico e fornecido por ondas gravitacionais.
  2. Especificamente, a emissão de ondas gravitacionais se deve ao movimento orbital do Mensageiro ao longo da órbita circular mais estável ao redor de Sgr A∗, o enorme buraco negro no centro da Galáxia.
  3. O Mensageiro deve receber continuamente energia para compensar a perda de energia orbital devido à emissão de ondas gravitacionais.
  4. A fonte deste suprimento de energia deve ser um fenômeno astronômico natural, operando por alguns bilhões de anos, sem necessidade de manutenção ou serviço.
  5. A maior massa mensageira sustentável é da ordem de uma massa de Júpiter, mas o objeto em si tem que ser muito mais compacto.

No primeiro ano de sua operação, a LISA poderá verificar se um orbitador com a massa de Júpiter está presente no centro galáctico. Massas menores exigirão um intervalo de observação mais longo para alcançar uma relação sinal-ruído conclusiva. A ausência de um sinal contínuo da direção de Sgr A* não implica que a vida extraterrestre não tenha evoluído. Uma detecção bem-sucedida, no entanto, fornecerá uma prova definitiva e inequívoca de que uma civilização inteligente existe ou existiu em nossa galáxia.

  • (31) 3309-1721
© 2016 LABRE-MG - Todos os direitos reservados